quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Minha sessão de Fotos em Londres

  
         Vou iniciar esse post contando como tudo começou...
      Como essa viagem era a viagem da minha vida e eu estaria sozinha, decidi contratar uma fotógrafa para registrar um pouquinho dessa minha estadia na terra da rainha.
        Conheci o trabalho da Carla Costelini pela internet durante as pesquisas sobre Londres e fiquei completamente apaixonada pelo  trabalho dela. Eu queria ter aquelas lembranças também, eternizar essa viagem através de belas imagens e uma fotógrafa brasileira em Londres era o que eu precisava.
      Entrei em contato com a Carla por e-mail e agendamos um dia. Ela marcou um ponto de encontro e fomos para a região da London Eye, Big Ben e Westminster. O dia estava bonito, sem chuva, perfeito para uma sessão de fotos.
      A Carla foi me orientando e entre uma foto e outra conversamos bastante sobre Londres e sobre o quanto essa viagem significava pra mim. No final eu estava certa de ter feito a melhor escolha.
Vou deixar o link do site da  Carla Costelini  e algumas das minhas fotos.








quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Londres: Palácio de Buckingham e Green Park

   
        No meu primeiro dia oficial em Londres decidi sair com a Raiane, uma carioca que também estava no hostel. Foi bom encontrar alguém que falava português e nós viramos amigas de infância em dois dias haha
     Fomos ver a famosa troca da guarda que acontece no Palácio de Buckingham e em setembro aconteceu nos dias pares, às 11h30. Chegamos mais ou menos uma hora antes e conseguimos um lugar no lado esquerdo do palácio e "na grade". Não era nem de longe o melhor lugar, mas foi o que conseguimos, e assim, pude tirar boas fotos com a minha câmera super zoom.
     Como o lugar fica lotado de turistas, o policiamento também é intenso e os policiais orientam as pessoas a ficarem atentas aos pickpockets, os batedores de carteira. Algumas pessoas que estavam com malas tiveram que sair de perto da grade também por orientação dos policiais.

      A troca da guarda é uma tradição militar britânica, o momento em que um batalhão troca de turno com outro na proteção dos palácios reais. Essa cerimônia acabou se tornando uma atração turística e é realmente muito bonita de se ver.
     No final da cerimônia a banda toca algumas músicas, e não são só as marchas militares. É bem legal, mas nós saímos antes da música terminar. Estava muito calor e lotado.  Nesse dia eu já percebi o quanto a cidade toda é linda, não só os pontos turísticos. Cada detalhe, as grades, a arquitetura, até os postes de iluminação pública são charmosos.

     Ao lado do Palácio de Buckingham fica o Green Park, um dos belos parques de Londres. Voltei nessa região em um outro dia (quando não era dia da troca da guarda), tirei mais fotos do Palácio  e aproveitei para andar um pouco pelo Green Park, que como todos os outros, é lindo <3
Fiquem com algumas fotos lindas desses lugares lindo.




quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Um dia em Nova Iorque - parte 2: O Central Park

     Escrevi esse texto enquanto estava dentro do avião que me levaria para Londres, antes da decolagem. Finalmente tinha tirado os sapatos, um dos maiores prazeres da vida adulta.
       A primeira coisa que vi foram os bancos pintados de verde, iguais aos que sempre vi nos filmes que já assisti e que mostravam o Central Park. Cada banco tem uma plaquinha de metal e são dedicados a alguém. É lindo! O parque todo é bem cuidado.
Fui andando pelo parque, tirando fotos, encontrando pássaros, esquilos e ratinhos. Fotografei alguns deles.
       Cheguei lá por volta das 9 horas da manhã linda de Manhattan e às 10h30 eu já estava sentindo o cansaço bater, talvez pela noite mal dormida no avião. Talvez pela emoção. O dia estava realmente a cara do verão e tinha muita gente por lá apesar de ser uma segunda-feira.
      Quando deu 13h30 mais ou menos eu comecei a tentar sair de lá. Precisava sair pelo lado leste por causa do metrô, mas acabei saindo do lado oeste. Umas três vezes. Cadê a bússola que eu pensei que houvesse dentro de mim? É. Noção de direita e esquerda falha como a de qualquer canhoto.
Andei um pouco pelo lado de fora do parque e dei de cara com alguns pontos turísticos de Nova Iorque.

MUSEU AMERICANO DE HISTÓRIA NATURAL
Você já viu o filme "Uma Noite no Museu"? Ele foi filmado no Museu Americano de História Natural, que é um prédio imponente como um museu de história natural deve ser. Não entrei por falta de tempo, mas tirei algumas fotos externas.

FOOD TRUCK
Esses carros que vendem comida na rua estão espalhados por todo canto da cidade e os nova-iorquinos compram a comida e procuram algum banco em alguma sombra para fazer sua refeição. Eu comprei chicken wins and fries, asas de frango com batatas fritas. Coisas que só fazemos em viagens! Bem, isso era o que parecia mais com cara de comida porque todo o resto parecia lanche. E não, não comi nem um terço dessas batatas (não sou fã de batata frita, a diferentona).
Comprei meu almoço e me sentei em um dos bancos para meu almoço bem nova-iorquino.

ÔNIBUS ESCOLAR AMARELO
Gente, para tudo porque preciso dessa foto épica. Não sei vocês, mas eu não acreditava que todas as coisas que via nos filme s americanos era verdade, e esse ônibus amarelo é uma delas. Achei que era algo de "antigamente", dos filmes dos anos 90 (não tenho assistido muitos filmes ultimamente), mas é real.

O TÁXI AMARELO
A gente sempre vê nos filmes,  só que eu não imaginava que existiam tantos deles circulando. Vi mais táxis amarelos do que ônibus.
PORTAS FECHADAS
As lojas mantém as portas fechadas, assim como vemos nos filmes e bem diferente do Brasil onde a maioria das lojas mantém as portas escancaradamente abertas e as padarias nem tem portas.

POLÍCIA
Os policiais estão espalhados por todo lugar. Pelos lugares que andei (57th Avenue, Madison) eu percebi que os novaiorquinos vivem num ambiente que traz aquela sensação de segurança que eu não consigo sentir em nenhum lugar do Brasil, nem na cidade do interior onde sempre vivi. Depois que me mudei para São José dos Campos comecei a ir mais vezes sozinha para São Paulo, eu passei a andar olhando para todos os lados, pra trás, pra ficar atenta a tudo que parece suspeito, e em Nova Iorque, apesar do terrorismo ser uma sombra sobre a cidade, as pessoas andam tranquilamente pelas ruas com seus IPhones, falando ao celular, segurando seu copo de café. A violência da rua: assaltos, furtos, não parecem uma ameaça pra eles.
    Essas foram as minhas impressões sobre o pouquinho que eu vi de Nova Iorque. Vou terminar o post com algumas fotos no Central Park.












segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Um dia em Nova Iorque - Parte 1: Aeroporto e Metrô

     

Quando comprei as passagens para Londres pela American Airlines (AA) escolhi um voo com uma conexão de 14 horas em Nova Iorque. Saí de São Paulo no domingo, dia 11 de setembro às 21h30 e cheguei em Nova Iorque às 5h30 da segunda-feira, 12. Tivemos que permanecer dentro do avião até as 6h, quando a imigração e aduana começam a funcionar. Cheguei pelo terminal 8 do aeroporto JFK.
       Que frio na barriga. Era o dia de conhecer o Central Park. Não sem antes passar pela imigração.
Entrei na fila. Quando chegou a minha vez, fui ao guichê e entreguei o meu passaporte e o formulário de imigração que os comissários entregam ainda dentro do avião e que também ficam disponíveis no aeroporto. É só preencher com as suas informações. Simples. No local pra colocar o endereço onde eu iria ficar nos EUA eu deixei em branco, porque estava só fazendo conexão.
     O agente da imigração verifica o passaporte e o visto americano (que é necessário para entrar nos EUA, mesmo que seja apenas conexão #Ficaadica). Solicita que você olhe para a câmera para ser fotografado e pede pra você colocar os dedos no scanner para coleta de digitais. Depois disso a agente que me atendeu perguntou onde eu iria ficar, já que eu deixei esse campo em branco no formulário, então eu disse que iria fazer só uma conexão, e meu voo seria à noite. Apenas isso. Ela carimbou meu passaporte e me devolveu junto com o formulário.
     Segui para a área de Bagage Claim, retirei minha mala na esteira, passei pela alfândega e lá o oficial pegou o formulário e perguntou apenas se tinha algum tipo de comida na minha mala. Eu respondi que não e segui para despachar a bagagem. Os funcionários da AA já ficam lá e ajudam a colocar sua bagagem na esteira. 
       Pronto. Eu tinha um dia pra curtir Nova Iorque. 
    Algo importante  é que nessa área de imigração, também conhecida como "Área de Segurança",  é PROIBIDO tirar fotos e tem várias placas indicando isso. Deixei meu celular guardado na mochila pra não ter problema. Vai saber, né?
      Para chegar ao Central Park segui o roteiro maravilhoso de Como ir do aeroporto JFK a Manhattan que a Sílvia Oliveira escreveu no blog Matraqueando. Visitem o blog dela e leiam esse post que ela fez muito bem explicadinho. Eu anotei tudo o que ela escreveu, toda a rota, e consegui chegar lá, apesar de ter mudado algumas ~coisinhas~. #JessicaOusada
      Peguei o Airtrain no aeroporto até a estação Jamaica. Lá comprei o MetroCard, mas pra isso precisei trocar minha nota de US$50 comprando água e chocolates, já que a máquina do MetroCard não dá troco em valores altos.
      Minha dica para a vida seria essa: SEMPRE tenha dinheiro trocado assim que colocar os pés fora do aeroporto. Pra isso você pode comprar água e qualquer coisinha ainda dentro do aeroporto e trocar aquela nota alta que você pegou no câmbio por notas menores e algumas moedinhas. #Ficaadica
      Da estação Jamaica peguei o metrô e desci na estação 53th. Fui andando até o Central Park e não achei muito longe não. Ele fica perto da 5th Avenue. Chegando lá no Central Park: que lindo!!!

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Finalmente Londres

     
Fotografia: Carla Costelini
Terça-feira, 13 de setembro de 2016
     "Primeiramente: obrigada, Deus!
     Segundamente: primeiramente.
    Estou finalmente em Londres e, pra quem não sabe, essa viagem era um sonho. Até hoje. Hoje cheguei aqui, e só Deus sabe o quanto eu queria estar aqui e o preço que eu paguei para que isso se realizasse. E eu não estou falando de dinheiro não...
     Eu sempre pensei que era um sonho possível, apesar de ser bem difícil. Pelo visto eu consegui vencer essas dificuldades né? Eu acreditei! Foram tantos passos até chegar aqui que eu nem consigo descrever todos... conseguir um trabalho que me trouxesse o dinheiro que eu precisaria, estudar inglês, ter coragem de sair sozinha pelo mundo. Até essa minha mudança de cidade foi um degrau pra essa viagem: nesses 2 anos aprendi a me virar sozinha, fazer tudo sozinha, desde controlar orçamento da casa até montar móveis. Deus foi me preparando para voar.
     Enquanto eu ia para o Aeroporto de Guarulhos aquele frio na barriga foi aumentando. O medo bateu na porta, mas eu não atendi. Inspirei e fiz o check-in. Contagem regressiva para decolar. 
Passei o dia de ontem em Nova Iorque. Me perdi dentro do Central Park. Sério. Nos filmes ele parece tão pequeno, mas na verdade ele parece não ter fim. Depois que saí de lá, me perdi um pouquinho no metrô. Obvious! Acho que aquele deve ser o metrô mais difícil do mundo. Nada se parece com o metrô "facinho" de São Paulo... #ficaadica
     Mais um voo e eu cheguei em Londres, a tão sonhada Londres. Com meu inglês meio zuado consegui chegar no hostel e estou aqui, deitada, descansando, tentando acreditar que isso é verdade mesmo. É que a gente sonha tanto que quando acontece a gente quase não consegue acreditar. Foi no tempo certo. Na hora exata. Só o Dono do tempo poderia fazer tudo tão perfeito, onde todas as peças se encaixam perfeitamente. "
      Esse texto foi escrito no meu primeiro dia em Londres e o sentimento continua o mesmo depois de passar 14 dias nessa cidade dos sonhos. Estou escrevendo várias postagens para mostrar a todos as minhas percepções e sensações na terra da rainha. Os lugares, as comidas, os perrengues. Tudo que eu considero importante e que registrei nas fotografias.

    Acompanhem o blog e compartilhem com os amigos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...