terça-feira, 28 de junho de 2016

D.I.Y.: Como fazer uma painel de crepom torcido

     Oi gente!
     O post de hoje é sobre festa, cores e faço você mesmo. Sim. Hoje vou mostrar pra vocês como eu fiz o "painel" com papel crepom torcido.
       A primeira vez que fiz foi no aniversário do meu sobrinho João Miguel, em março, para a festinha com tema "dinossauros". Usando verde claro e verde escuro, o efeito foi surpreendente e muitas pessoas perguntaram onde eu comprei, como eu fiz, se o papel já vinha "torcido". Foi aí que eu decidi que no aniversário da Anna Júlia, em maio, eu iria fotografar a montagem para mostrar aqui no blog.
      No aniversário do João eu gastei 2 rolos de papel crepom, um de cada cor, cola quente e fita adesiva transparente. Gastei no máximo R$5. Já no aniversário da Anna Júlia eu coloquei as tiras mais pertinho uma da outra, então usei 2 rolos de papel crepom de cada cor (mas sobrou um pouco do papel), cola quente e fita adesiva transparente. O gasto foi algo entre R$7 e R$10. Além desses materiais você vai precisar de uma boa tesoura.
       Existe um papel crepom que é um pouco mais "durinho" que o outro. Prefira esse na hora que for comprar, pois ele dá um acabamento melhor, já que é mais firme.
Vamos lá?
    O primeiro passo é escolher as cores. Você pode escolher quantas cores preferir, é só ir intercalando as cores escolhidas. O papel crepom vem em rolos de 48cm de largura, porém ele tem 2m (Isso mesmo, DOIS metro) enroladinhos ali. Você define a largura da tira que você quer e corta. Eu marcava mais ou menos uns dois dedos, nada muito exato.
       Com todo o crepom cortado eu comecei a colar as pontas de cada tira em uma fita adesiva transparente... até ficar do tamanho necessário para "cobrir" o espaço na parede, lembrando que quando você desenrolar o crepom, seu painel terá 2 metros de altura!
Tudo colado é hora de virar a fita para dar o acabamento.
       Agora você precisará da ajuda de outra pessoa para colar essa fita na parede. Depois de ter certeza da altura e garantir que não está torto, cole a fita adesiva na parede usando cola quente.
Com a parte superior fixada na parede, comece a desenrolar as tiras que ainda não desenrolaram sozinhas e a mágica começará a acontecer...
       Para fazer o efeito "torcido", primeiro eu fixei fita adesiva na parede (da mesma forma que fixei a parte de cima, com cola quente) e fui fazendo a torção das tiras e colando uma a uma nessa fita adesiva usando cola quente. Essa é a parte mais trabalhosa, porém é quando começa a dar o efeito desejado.
       O importante é "torcer" as tiras sempre no mesmo sentido (ou não, você escolhe! haha)
No final vai ficar assim!
       Bom, eu achei algo bem simples, fácil de fazer, dá um efeito super bacana nas fotos e é muito barato.
       O que vocês acharam? Essa ideia eu encontrei pela internet e decidi experimentar. Deu certo e eu decidi compartilhar o meu jeito de fazer com vocês!
       Deixem seus comentários!

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Como eu era antes de você, o Filme

       Ontem eu tive o privilégio de ir à pré-estreia do filme "Como eu era antes de você", o meu mais aguardado do ano. Esse filme foi baseado no livro homônimo escrito pela Jojo Moyes. Como a estreia está marcada para o dia 16 de junho, nem todos os cinemas estão exibindo esse filme ainda e eu já vim aqui contar pra vocês o que eu achei desse momento tão aguardado.
       Se você vai assistir ao filme e NÃO leu o livro, já vou avisando que esse post contém spoiler. Pra quem já leu o livro, tá tranquilo: vocês já sabem como termina!
      Eu estava de boas na net quando vi um post falando sobre a pré-estreia e com um link para um site de compras de ingressos online. Fui lá e vi que um dos cinemas aqui de SJC, o Kinoplex Vale Sul, ia ter sessões de pré-estreia. Oi? Já comprei meu ingresso pelo site e na hora marcada estava eu lá na fila da pipoca.
       O filme é muito fiel ao livro. Quando eu li esse livro (em janeiro 2016) eu já sabia quais seriam os atores, então visualizei toda a história acontecendo já com Emilia Clarke e Sam Claflin. A Louisa Clark é simplesmente cativante. Ela é engraçada, falante e se veste de uma forma bem excêntrica e original.
       Will parece mais "leve" no filme do que no livro. Ele parecia um homem muito mais amargo e mal humorado no livro,  ele é lindo e quando sorri nos faz entender como a Lou se apaixonou por ele. Durante a maior parte do tempo o filme parece uma comédia romântica, como várias cenas divertidas que fazem todos rirem na sala de cinema. A mais divertida de todas é a reação da Lou ao abrir o presente de aniversário que Will lhe deu: a amada meia-calça listradas.
        As duas cenas mais emocionantes pra mim foram estas: quando Lou faz a barba de Will, momento que é meio engraçado porque ele faz uma expressão de medo e apaixonante porque me lembrei do livro e foi nessa parte que ela tem um contato mais íntimo com ele. 
       O outro momento lindo acontece durante o casamento da ex de Will, quando ele e Lou resolvem dançar, e assim, deixar as pessoas chocadas  com a cena deles dançando em uma cadeira de rodas. Durante a dança ele confessa a Louisa que ela é o único motivo que o faz acordar todos os dias!

        Os diálogos de Will e Lou são incríveis. Eles são incríveis juntos, mas toda essa felicidade acaba quando eles estão na praia e ele diz que não desistiu de ir para a Suiça. Nesse momento você já começa a ouvir pessoas chorando ao seu lado. Foi nesse momento que tirei um lenço de dentro da minha bolsa. #Ficaadica
      No final da história, quando ela está lendo a carta de Will em Paris, Lou aparece sorrindo e eu não lembro direito dessa parte porque eu estava chorando pacas, quase abraçando a moça que estava chorando do meu lado (huashuashua), mas lendo o livro eu imaginei que ela estivesse mais triste nesse momento... nem tudo foi como eu imaginei!
       Minha opinião: o filme é lindo, com cenários incríveis e muito fiel ao livro. Achei que "passou muito rápido" porque o livro possui uma riqueza de detalhes que não é possível ser colocada em um filme... são os pensamentos da Louisa. Quando ela vê as cicatrizes nos braços de Will, o livro traz os pensamentos dela, ela imaginando o que ele teria tentado fazer para ter aquelas cicatrizes, e o filme só mostrou ela olhando para os pulsos dele e um close. Achei que poderia ter colocado uma voz com ela pensando... além disso, várias passagens do livro não aparecem no filme, como o dia em que eles fizeram a tatuagem,  por exemplo.
       Will é muito expressivo. Apesar de não se mexer dos ombros pra baixo, ele consegue se expressar perfeitamente com as expressões faciais. Percebemos todos os seus sentimentos! Já disse que ele é lindo?
       Pra quem ainda não assistiu eu deixo um conselho: não perca. E para quem já assistiu eu deixo uma pergunta: Vocês também querem ver "Depois de Você" nas telonas? Sim ou claro?

sexta-feira, 3 de junho de 2016

No meio de tudo, você

     Não. Esse não é um post fofo de amor.
     Todos que acompanham o Sonhando com Mapas já sabem que eu A.M.O as músicas da banda Engenheiros do Hawaii. <3  Hoje eu estava organizando minha playlist  EngHaw e decidi compartilhar uma das músicas que mais me fazem refletir sobre o mundo em que vivemos e sobre quem nós nos tornamos.
     Será que viver essas coisas descritas na canção está sendo o suficiente pra nós?
     Será que devemos mesmo nos conformar com tudo e com tão pouco?
     Não deveria ser assim... pense nisso!


Selva
A gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é demais
Quando chega em casa do trabalho quase vivo

Selva
A gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é o máximo
Liberdade pra escolher a cor da embalagem

Nessa selva
A gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é normal
Entrar na fila comprar ingresso pra levar porrada

No meio de tudo, você!
Me salva da selva me salva da selva!

Selva a gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é demais
Um pouco de silêncio e um copo de água pura

Nessa Selva
A gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é o máximo
Se o cara mente mas tem cara de honesto

Nessa selva
A gente se acostuma a muito pouco
A gente fica achando que é o normal
Finge que não vê,diz que não foi nada e leva mais porrada

No meio de tudo, você!
Me salva da selva me salva da selva!

No meio de tudo, você!
Acima de tudo, no meio de tudo .. você!

Autor: Humberto Gessinger
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...