segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Eu primeiro

       Eu sei que nos últimos meses não tenho sido grandes coisas como amiga pra você ( e para outras pessoas também), mas eu mal estou conseguindo ser uma boa pessoa mim mesma, sério... o que dirá para os outros...

       Tenho me sentido bem na maior parte do tempo, porém com uns momentos de tristeza, e nesses momentos eu prefiro ficar só. Talvez não seja a melhor escolha, mas dizem que é errando que aprendemos. O que eu não acho bom pra mim é viver uma paz e uma felicidade falsa, onde as pessoas me vêem sorrindo, mas por dentro estou chorando/ sangrando.

       Preciso entender, me entender, perceber o que me faz bem e correr atrás dessas coisas benéficas pra mim. Ver o que me deixa na bad e evitar, excluir isso do meu dia a dia. Parar um pouco de fazer pelos outros e me deixar pra depois...bem...agora esse depois chegou.

      Estou sendo egoísta? Não. Estou só tentando manter a minha saúde mental em dia, focando em resolver os meus problemas e ser feliz. O ano de 2018 todo foi "coisado". Foi difícil. Foi deprimente. Desesperador. Cansativo. Mas eu saí viva e só Deus sabe como...  Vi morrer um pedaço de mim, um pedaço da minha fé na humanidade, mas estou me reconstruindo. As feridas nos tornam mais dura, eu sei. Talvez eu realmente esteja mais dura, mas a vida me exige força.

      Tô levando a vida do jeito que dá. Segurando a peteca e lidando com todos esses monstros do jeito que eu posso.  Me perdoe pelos meus erros de 2018, minhas inconsistências e varições. Foi difícil ser eu nesse ano também, mas aos poucos estou melhorando/ mudando/ me reerguendo.

       Tô falhando? Devo estar, mas minha luta é pra não falhar muito comigo mesma. Não mais.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Retrospectiva 2018 da Anna Júlia

       Ano novo e é hora de rever o que foi feito em 2018 e o que podemos melhorar em 2019. Fiz uma retrospectiva da @annajuliamarinhooficial baseada nas fotos mais curtidas e comentadas de cada mês. Relembramos os acontecimentos mais especiais também.

 JANEIRO
    Início das aulas do 1º ano. Carinha de feliz, mas mudamos de escola no mês seguinte! 


 FEVEREIRO
    Rolezeira demais!


MARÇO
    Levando a filha pra escola.

ABRIL
     Publicando uma das fotos do book feito na agência Boneca de Pano


MAIO
Meu primeiro desfile da vida! Loja Cenário Kids  de Taubaté.


JUNHO
    Em junho tem festa junina! Eba!


   Em junho também participe do desfile da loja Crayon Kids de São José dos Campos com esse vestido maravilhoso!


JULHO
   A foto mais votada da semana no perfil @pequenosblogueiros_


AGOSTO
    Em agosto teve muita risada gostosa.

SETEMBRO
    Em setembro participei da etapa regional e fui classificada para o Miss São Paulo Infantil Teen. 


OUTUBRO
   Outubro foi o mês dos desfiles de coleções Primavera-Verão.
   O primeiro foi novamente para a loja Cenário Kids de Taubaté.

    Depois teve um desfile lindo para a loja Paratchibum Moda Infantil, aqui em São José dos Campos, que comemorou seus 20 anos!

   Fechamos o mês com esse look lindo que usei no desfile da Loja Bicho Papão, aqui de São José dos Campos.

Look para a festa de Halloween da Brinquedoteca, que foi personalizado pela Sonhando com Laços que, além de todos os laços da saia, fez essa tiara personalizada pra mim.


NOVEMBRO
    Em novembro recebemos as fotos oficiais do Miss São Paulo.

DEZEMBRO
    2018 chegando ao fim e com ele o final do meu primeiro ano escolar. Vencemos!

  O ano de 2018 foi muito legal e em 2019 esperamos realizar e conquistar muito mais!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Chorando em Berlim


        Eu tinha acabado de comprar o smartphone e ainda não sabia configurar direito a câmera, então as fotos saíram invertidas [haha], mas essa foi minha primeira foto em solo alemão, ainda no aeroporto Schönefeld. Nesse dia eu chorei sozinha. 
       Assim que coloquei meus pés pra fora do aeroporto eu me perguntei: E agora, Jéssica?

      Essa viagem era inicialmente pra ser apenas para Londres (setembro de 2016), porém, aos 45’ do segundo tempo eu alterei um pouco a rota. Lembro que era sábado à noite e eu estava em casa imprimindo os últimos documentos antes da viagem, que seria no dia seguinte, domingo. Eu, em meio ao caos pré viagem, com mala ainda por terminar, decidi comprar umas passagens de avião, ida e volta, para Berlim. Seriam apenas dois dias na cidade… não poderia ser tão ruim, e na pior das hipóteses, eu poderia ficar no quarto do hostel chorando.

       O meu maior medo era a questão do idioma… em inglês eu até me viro, mas, alemão? 

       Bem. Vocês perceberam que o idioma não me impede de ousar, né?
      Vi a passagem… 300 reais ida e volta Londres X Berlim… hostel com preço bacana… comprei! Bora pra Berlim!!!

       Minha paixãozinha por Berlim se deve à minha paixãozinha por História, mas especificamente a Segunda Guerra Mundial. As pessoas mais próximas sabem que coleciono livros sobre esse tema e leio bastante. Acho que é uma parte das mais chocantes da história do mundo e é claro que eu queria ver com meus próprios olhos o que eu li em tantos livros.
       Voltando ao aeroporto. Eu já sabia todo o trajeto até o hostel. Eu só tinha que ir para a estação de trem, mas… cadê a estação?
      Eu demorei pra encontrar a estação. Foi me dando um mini desespero de ver tantas placas em alemão e eu sem entender nadinha. Depois de olhar por alguns minutos para o horizonte à procura de tal estação, percebi um pessoal indo para um determinado lugar. O que eu fiz? Segui o fluxo. Finalmente cheguei à estação, mas se está fácil você está fazendo errado, né? Lá só tem máquinas pra comprar o ticket. Máquinas que dão uma quantia limitada de troco, e eu com uma nota de 100 euros. Foi nessa hora que eu chorei. Chorei e tive que voltar ao aeroporto para trocar o dinheiro. Estava calor e eu estava cansada. Eu voltei, comprei chocolate e uma garrafa de água, afinal, depois dessa andança toda eu já estava quase desidratada.
      Voltei com meus euros trocadinhos, cheia das moedas, e comprei o ticket. Validei o ticket. Fui para o hostel e me joguei na cama.  Ainda era dia e fui explorar as redondezas e comprar algo para comer, mas isso aí já é outra história...
     A história dessa viagem não acaba aqui, mas essa foto aí em cima representa isso tudo que escrevi. Representa a Jéssica que é corajosa e que ao mesmo tempo tem medo, mas que olha pro medo e ri na cara dele, porque ela é dessas!