segunda-feira, 29 de abril de 2019

Pequenas coisas

     
         Hoje fomos fazer compras de supermercado e logo na saída dos caixas vimos uma feirinha de livros, desses livros de 5 ou 10 reais. Paramos para olhar o stand. Uma coleção de livros de colorir infantis e eu ajudei a Juju a escolher um. Peguei um pra mim também e pedi pra ela levar ao caixa enquanto eu estava no celular chamando um uber.
      Juju foi, conversou com a moça e voltou dizendo que dava 15 reais. Eu, sem olhar pra ela, respondi que precisava ver se eu ia ter dinheiro pra pagar (minha intenção era dar o dinheiro na mão dela para que ela pagasse a compra, pegasse o troco e tivesse essa experiência), enquanto continuava no celular chamando o uber. Ela puxou minha blusa e falou: Se você quiser, eu falo pra moça que a gente não vai querer mais os livros. Eu olhei pra ela e respondi: Não! Nós vamos levar sim! 
- Não precisa fazer um sacrifício por causa dos livros. Eu vou falar que eu não quero mais. Tá bom?
        Eu quis chorar e respondi: Juju, eu vou pagar com meu cartão. O livro não é caro não. Tá tudo bem!

Eu quero mostrar pro mundo essa menina! Ela tem 7 anos e tem toda essa compreensão...

segunda-feira, 4 de março de 2019

Uma volta na London Eye

Publicado em 17 de janeiro de 2017. | Atualizado em 04 de março de 2019. 

Local: London Eye, Londres
Fui em: Setembro/2016
Entrada: paguei £40 no ticket "London Eye + 1 more attraction" e fui no Sea Life também.

        Sempre que pensava em ir para Londres eu pensava também em ir na London Eye, a roda-gigante que foi projetada para marcar a transição do milênio em Londres e foi inaugurada no dia 31 de dezembro de 1999.
       O ingresso para a London Eye dá direito a assistir um filme em 4D, com a duração de menos de 5 minutos e pode ser visto antes de subir na roda gigante. Você não dá nada por esse filme, parece aquelas coisas chatas antes de entrar em algum lugar, mas é bem legal essa experiência. A gente fica em pé e o ambiente vai mudando conforme o filme.
      A London Eye tem 135 metros de altura, 32 cápsulas com capacidade para 25 pessoas cada e demora 30 minutos para fazer uma volta completa.
        Eu fui em uma segunda-feira e não tinha fila, ao contrário do final de semana que estava lotado. Então, se você quiser ficar em cápsulas mais vazias e tem mais dias na cidade, deixe para ir durante a semana. Entrei em uma cápsula com outras 6 pessoas e consegui fazer fotos bem legais. Amei a experiência! Mais um sonho realizado para a conta!
       Vou deixar algumas fotos que fiz nessa viagem linda no verão de 2016. Essa primeira quem tirou foi a fotógrafa Carla Costelini, com quem fiz um ensaio maravilhoso e um post (aqui) contando os detalhes. As demais fotos são minhas.
   
     




  

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Casa de Anne Frank

Local: Anne Frank House, Amsterdam
Fui em: janeiro/2018
Entrada: 10 euros
Site: https://www.annefrank.org/en/museum/
Foto do site
       Quem leu o livro "O diário de Anne Frank" já sabe do que, apesar do nome, não era nesse local que Anne morava. Esse era o prédio onde ficava o anexo onde ela, sua família e alguns conhecidos se esconderam durante a Segunda Guerra Mundial e onde ela escreveu seu diário.

       No dia 1º de agosto de 1944 Anne fez suas ultimas anotações no diário. Dias após, as pessoas do anexo foram traídas, denunciadas e levadas para um campo de concentração, onde Anne, sua irmã Margot e sua mãe morreram. Apenas o pai dela, Otto Frank, sobreviveu e decidiu publicar o diário de Anne, tornando-a uma famosa escritora, bem mais famosa do que ela talvez sonhasse que seria.

       O diário original e os cadernos de Anne estão expostos nesse museu. Durante a visitação temos acesso aos cômodos do anexo e é incrível poder visualizar o que eu já imaginamos lendo o livro. Cada detalhe, cada sentimento que aquele lugar nos inspira. Vale a pena pra qualquer pessoa, mas pra quem ama o  livro, é incrível.

       É importante lembrar que eu não tinha planejado muito minha estadia em Amsterdam, logo, não tinha comprado ingresso para a Casa da Anne. No primeiro dia pela cidade passei perto do museu e descobri que não vendia ingresso "na porta" ou bilheteria, só online, mas sabia que era super concorrido e meio que perdi as esperanças. Assim que cheguei no Airbnb onde estava hospedada, entrei no site e, advinhem: tinha 1 (UM, apenas UM) ingresso disponível para o dia seguinte. Comprei e consegui fazer essa visita. <3 Foi um presente conseguir visitar esse lugar!